15 de jun de 2014

Série _ Brasilidade: Gabriella Maya



Passeando pelos comentários à nossa entrevista anterior encontrei a Gabriella Maya, realmente fico feliz em saber que tanto leitores quanto autores nos prestigiam. E o resultado é mais uma entrevista. Espero que vocês gostem de conhecer mais um pouco sobre esta moça adorável.

1-Conte um pouco sobre você...
 Sou escritora e advogada carioca, com coração mineiro por ter vivido muitos anos em Minas Gerais. Casada e mãe de um menino de 13 anos. Apaixonada por Roma e Grécia Antiga e estudiosa das religiões pagãs.

2-Como você virou escritora? 
Sempre gostei muito de escrever, era meu ponto de apoio emocional. Mas escrever um livro não era uma prioridade, nem mesmo um projeto. Quando comecei a escrever A Dama do Coliseu estava estudando para o concurso público da Procuradoria do Trabalho, queria ser Procuradora do Trabalho. Em meio a esse projeto, eu e minha família fizemos uma viagem de férias visitando algumas cidades europeias, entre elas Roma. Foi lá que visitei os porões do Coliseu, na noite de 30 de Julho de 2011 e senti emoções fortíssimas naquele local, algo que eu nunca havia sentido antes. Era algo novo, forte...e bom!
Quando voltamos para o Brasil eu identifiquei uma imagem, como um espectro numa das fotos que tirei. Depois disso senti uma forte vontade de escrever a história da mulher que vi nessa foto.


3-Você lia muitos livros quando era criança? 
Sim. Minha mãe foi uma pessoa muito importante nesse processo, sempre me incentivou muito a ler e me conduzia naturalmente para esse caminho. Lembro-me até hoje do livro que marcou minha infância: O Menino do Dedo Verde, de Maurice Druon.

4-O que inspira você a criar? 
É engraçado...são muitas coisas, algumas desconexas. Músicas me inspiram, sem dúvidas elas norteiam muito do meu processo criativo. Atualmente imagens célticas, paisagens. Mas às vezes até o sorriso ou uma frase de alguém que esteja no meu convívio, me inspira para os meus personagens.

5-Como surgiu A Dama do Coliseu??? 
Como eu disse anteriormente, aquela noite no Coliseu mudou a minha vida e os meus planos. De uma forma muito especial aquela fotografia trouxe um universo completamente novo diante de mim, através desse momento busquei a Roma Antiga como objeto de estudo e fiquei nove meses fazendo o que chamo de “ Intensivão da Idade Antiga”, para construir meus personagens.

6-Você se diverte muito com o seu trabalho? 
 Eu me realizo. Nesse contexto experimento muitas emoções, choro muito com os meus personagens e às vezes também me pego sorrindo sozinha ao idealizar algumas cenas. É muito gratificante.

7-Tem novos projetos em mente? Pode falar sobre eles?
Sim, tenho muitos projetos alguns até em estágio adiantado. A Dama do Coliseu, embora eu não pensasse nisso – na época em que o escrevi – tem continuação. Além disso, há um outro romance contemporâneo que iniciei no ano passado mas que está gestando até que eu possa me dedicar a ele.

8-Como  concilia as duas carreiras? 
Atualmente acompanho meus processos antigos, pois como todos sabem uma ação pode durar muitos anos e procuro estar em contato com o Direito por ser minha base profissional. Mas o processo criativo é algo que nos alimenta profundamente e se desligar dele para realizar outras tarefas, é doloroso.

9-Que conselho você dá para alguém que quer seguir o seu exemplo? 
Leia, leia e leia. É impressionante como o cérebro humano reage a esse estímulo, principalmente para quem aprecia a boa escrita. Não é preciso ler o gênero ao qual você pretende se dedicar, uma boa história sempre irá conduzi-lo para o aperfeiçoamento da escrita.
 Além disso, escreva o que quiser e como vier para você. Depois, com o tempo e algumas sugestões das pessoas que você admira, sua história vai encontrar seu próprio caminho.


Rapidinhas

Uma música? Nights of the Alhambra, da Loreena  Mckennitt

Um personagem? O Corcunda de Notre Dame.

Um lugar que gostaria de ir novamente? Roma, Roma eternamente Roma.

Que frase vive repetindo? É melhor ser alegre que ser triste.


Um verbo? Sorrir.

6 comentários:

  1. Adorei!
    A última resposta, então, foi fundamental!
    Leia e leia!!! :)
    Gostei do blog, seguindo...
    Bjs, Lu
    http://resenhasdalu.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Ótima resenha, parabéns ao blog e a entrevista. A Gabriela é mesmo adorável, um amor de pessoa.

    ResponderExcluir
  3. Gostei muito da entrevista, fiquei com vontade de ler o livro!!

    ResponderExcluir
  4. Fico feliz por saber que nossas entrevistas são bem aceitas e os autores reconhecidos!!! Obrigada pessoal!!

    ResponderExcluir
  5. Muitooo legal a entrevista. Ela adora Grécia e Roma *.*

    ResponderExcluir

Próxima Página