11 de mar de 2015

Resenha: Admirável Mundo Novo - Aldous Huxley



Título: Admirável Mundo Novo (Brave New World)
Autor: Aldous Huxley
Nº de Páginas: 308
Editora: Globo


Mas lá vem eles novamente, eu sei o que vão fazer:
Reinstalar o sistema”
Admirável Chip Novo (Pitty)

Admirável Mundo Novo (Brave New World) é uma obra publicada por  Aldous Huxley no ano de 1932 e pode ser facilmente chamada de obra prima do autor, e de longe um dos maiores clássicos da literatura mundial.
Não tem como ir direto ao ponto quando se trata dessa obra, pois existem algumas particularidades deste mundo que devem ser entendida. Em um resumo grotesco e direto, o enredo do livro se passa em um futuro utópico (sim, não é uma distopia, lide com isso), onde a sociedade sobrevive de uma maneira completamente diferente a que conhecemos.
Pra inicio de conversa, a passagem dos anos não é contada mais como o comum, ou seja, a partir do nascimento de Cristo e antes do nascimento de Cristo. O novo “messias” nessa história é Ford - é, ele mesmo, o Henry Ford dos carros - e os anos são contados dessa forma antes de Ford e depois de Ford que obviamente, é dado como uma divindade. Portanto é comum ver expressões como “Por Ford!”, “Sua Fordeza” e  outros.
Não existem mais famílias, e os termos como pai, mãe, tia, irmão e qualquer coisa que dê familiaridade é visto como algo grotesco e absurdo. Mas como que as famílias foram abolidas? Simples, os humanos no admirável mundo novo não nascem, eles são criados em laboratório através de técnicas de fertilização “in vitro” e toda a gestação é feita em recipientes projetados para receber estes fetos, nutrí-los e preparar cada um deles para se adequar às castas a que vão pertencer. Além disso, estes humanos criados não envelhecem fisicamente, uma vez que se atinge a maturidade aquela vai ser sua aparência até o fim da vida.


Como dito anteriormente, a sociedade está dividida em castas que são denominadas por letras gregas, sendo os Alfas os superiores e os Ípsilons as mais inferiores. A casta de cada indivíduo é pré-determinada, e é definida através de manipulalção genética e por processos de condicionamento na infância (leia-se lavagem cerebral). Estas castas desempenham trabalhos na sociedade de acordo com sua casta, por exemplo, os Ípsilons são designados a trabalhos braçais enquanto os Alfas mais superiores são responsáveis pela administração em cargos importantes ou até mesmo como “governantes”.
A história se passa em Londres e conta a história de um individuo chamado Bernard Marx (sugestivo, não?) que pertence aos Alfa-Mais, entretanto apesar do seu preparo genético e seu condicionamento para ocupar esta casta , Bernard começa a questionar algumas coisas do cotidiano da sociedade deste mundo, como por exemplo do fato de ser comum ter múltiplos parceiros sexuais, e e isso ainda é visto como essencial para o convívio social uma vez que as relações monogâmicas são tratadas como, para nós, é o adultério. Bernard então, aproveitando um breve período de férias, convida uma amiga para passar uma temporada em uma reserva de selvagens, que nada mais é que uma reserva de humanos com hábitos de vida parecidos com os que nós conhecemos só que de maneira mais tribal, digamos, umas vez que eles são excluídos da sociedade e estão enclausurados em reservas, então não tem contato com tecnologia. E durante esse passeio na reserva, Bernard desenvolve um fascínio por um destes selvagens que é um adolescente e o leva consigo para Londres e o coloca em contato direto com o Admirável Mundo Novo e a partir daí, os acontecimentos marcantes do livro acontecem.
A obra é recheada de questões filosóficas e sociológicas, com uma enxurrada de ambiguidades e coisas ditas nas entrelinhas. Isso pode ser claramente visto já no nome do personagem central, e associar logo de cara com Karl Marx. E as semelhanças não param só em nomes, uma vez que Bernard bebe das filosofias Marxistas, as quais não tenho cacife algum pra dissertar. Ou ainda pode ser observado a mudança da referência de Ford como divindade para Freud (“Froid”) quando os personagens conversam de algo que tenha um cunho mais psicológico.
Esta sociedade apresentada, é marcada pelo o que foi apresentado pelo sistema Ford de produção industrial, em que cada um é responsável por uma etapa de uma série de processos que resultam no resultado final. Absolutamente tudo funciona desta forma nessa realidade, desde a produção de produtos até a produção de pessoas. E se for observado de uma maneira mais ampla a sociedade toda é funcional desta maneira e que cada serviço e cada casta é uma engrenagem que mantém toda a sociedade e pleno funcionamento, e o mais importante, em linearidade. Tudo é constante e a ordem das coisas jamais é abalado.

“É impossível obter alguma coisa do nada. A felicidade tem de ser paga.”
Aldous Huxley  (Admirável Mundo Novo)

Falando em linearidade, o autor, em sua obra, apresenta até mesmo uma alternativa para aqueles que em algum momento acabam deixando os instintos humanos aflorarem e começam a agir ou pensar em desacordo com o que foi colocado como natural pela sociedade, esta alternativa é nada mais, nada menos que o Soma, que é uma droga perfeita em que só existem os efeitos desejáveis e que de acordo com a dose ela tem um objetivo diferente. Todos no admirável mundo novo fazem uso do Soma, que é fornecido pelos Administradores Mundiais e todo mundo em algum momento precisa de uma dose de Soma para colocar a vida nos trilhos. Isso não é um pouco parecido com a nossa geração que é não vive sem um Rivotril, Ritalina ou algum outro psicotrópico?
A obra de Aldoux Huxley sem duvidas é um trabalho primoroso da literatura e que é recomendado a todos. É aquele livro que tem que ser lido, e relido e sempre em contato, pois é uma obra que sempre vai ter algo a oferecer, sempre vai haver uma visão nova em relação a essa história. É uma obra que influencia pessoas, estudiosos, artistas, e que está refletido em diversas novas histórias, em filmes, livros, músicas, e é um assunto que mesmo publicado em 1931 é sempre atual porquê não só lida com a sociedade e a relação com a tecnologia mas também com o íntimo humano. São novas maneiras de se relacionar, novos jeitos de se viver. Admirável Mundo Novo sem dúvidas é uma obra prima que sempre vai trazer o questionamento humano ao primeiro plano.
“Bring this savage back home.”
Brave New World (Iron Maiden)



3 comentários:

  1. Ele livro é ótimo! Eu amei eles.
    Estou planejando fazer fazer uma resenha desde o ano passado. Mas tenho certo receio, pois é um livro que deve ser bem resenhado se não estraga tudo.
    Recomendo muito ele. E todos deveriam ler.
    bjs bjs
    formula-amor.blogspot.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Deixa o receio de lado e faz uma também. Tenho certeza que vai ficar muito boa :)
      E espero que tenha gostado.
      Bjs. :)

      Excluir
  2. Fantástico.

    http://numadeletra.com/admiravel-mundo-novo-de-aldous-huxley-69237

    ResponderExcluir

Próxima Página