4 de jan de 2015

Resenha: O mestre e Margarida - Mikhail Bulgákov

Título: O mestre e Margarida
Autor: Mikhail Bulgákov
Nº de Páginas: 456
Editora: Afaguara

Olá, pessoas leitoras! Hoje, trago a vocês uma indicação no mínimo... interessante.
Muitos já sabem que sou fã de clássicos, apesar de ler de tudo um pouco. E ano retrasado, eu recebi uma indicação de um aluno meu, do 3º ano do ensino médio, para o qual leciono Literatura. Trata-se de um clássico russo, que segundo minhas pesquisas, foi considerado um dos melhores romances da Literatura Russa. 
Porém, notei, vagando pelo Skoob e outras fontes de leitores, que esse clássico não é tão conhecido no Brasil, infelizmente. Resolvi ler e claro: ADOREI. Foi com certeza uma das melhores leituras de minha vidinha ordinária e deixará marcas literárias para sempre.
A ressaca foi brava, mas valeu a pena. Então, espero que "fique a dica" e vocês possam desfrutar desse néctar dos deuses, escrito por Mikhail Bulgákov. 

"O mestre e Margarida" é um livro ambientado na Moscou soviética, em meados dos anos 20. Bulgákov, como podem imaginar, sofreu com esse livro. Houveram quatro tentativas de terminá-lo, e, após sua morte, apenas sua esposa o conseguiu. Mas enfim, vamos à trama!

O enredo traz Woland, que é ninguém menos que o Diabo, visitando Moscou. Com ele, andavam Koroviev (ou Faggot), Behemot - meu personagem preferido, que é um gato gigante que fala e tem uma personalidade um tanto forte -, Azazell, Abadon e Hella, uma bruxa. Essa trupe visita vários personagens e lugares na Rússia, deixando um rastro de bagunça e mistério. 

pequeno spoiler:
Uma das passagens mais interessantes é a parte do Teatro de Variedades, onde o autor critica fortemente a ganância das pessoas e suas frivolidades. Nesse show, Woland e sua trupe fazem um espetáculo que de início, foi anunciado como de magia negra, desacreditado, portanto do mágico apresentador e do público:

"- Agora, tratanto de assunto mais importante: mudaram os moscovitas por dentro?
- Uma pergunta realmente vital, senhor."

Woland começa com pequenos truques de mágica para chamar a atenção da platéia. Cartas, desaparecimentos... logo depois, caem papéis brancos do teto na platéia. Esses papéis tornaram-se dinheiro aos olhos de todos, que rapidamente, começaram a guardar e ficar maravilhados com o número. 
O mágico da casa que estava apresentando Woland e seu grupo, ficou irritado com a repercussão do número e chiou com os apresentantes. Uma voz então gritou "- corte a cabeça dele!" e Behemot, o gato, cortou-lhe a cabeça que continuava a falar, fora de seu corpo. O mágico pede misericórdia e diz que não vai mais dizer asneiras; então Faggot pergunta ao público que decisão tomar e as pessoas pedem para perdoá-lo. 
Woland faz uma reflexão sobre a humanidade, dizendo que as pessoas amam demais o dinheiro, seja ele qual for, mas ainda tem um pouco de compaixão dentro de si.
Logo após o ocorrido, e sem o mágico para importunar, Faggot anunciou que teriam uma loja para as senhoras da plateia, bem ali no palco. E, num passe de mágica, apareceram tapetes persas, vestidos parisienses, chapéus e sapatos caros e da moda; perfumes, bolsas de couro, ceda, maquiagem... 
Faggot anunciou que eles iriam trocar o que as moças estavam vestindo - geralmente, vestidos velhos e usados - por todos aqueles apetrechos e roupas caras. As mulheres foram à loucura e subiram ao palco, trocando suas peças velhas pelas novas ali expostas. 
Depois que as senhoras se vestiram do que havia de melhor, Faggot encerrou o espetáculo. Mas  um homem chamado Arkady Appolonovich, acompanhado de sua esposa e uma prima mais nova, exigiu que houvesse uma explicação para os "truques". Faggot respondeu que não havia explicação: tudo estava muito claro. Arkady disse que a plateia estava preocupada com o mágico e que eles também gostariam de uma explicação para os números. Eis uma outra crítica, pois  o povo não exigiu nenhuma explicação do dinheiro ganho e das roupas novas, porque haveria de querer explicações sobre o mágico?
Faggot se livra de Arkady o desmascarando na frente de todo o público acerca da traição cometida com uma  jovem atriz, o que enfureceu sua prima (?), que lhe deu sombrinhadas na cabeça. O espetáculo acabou.
Obviamente, as roupas, os apetrechos, o dinheiro...  foi tudo ilusão, tudo sumiu. O grande truque de Woland não foi a magia negra, e sim mostrar a ganância da sociedade.

O mais irônico nisso tudo é que o Diabo é o moralista da história (risos).

fim do spoiler.

A obra traz consigo também críticas ácidas ao governo. Bulgákov chegou a queimar o primeiro manuscrito, com medo da censura, mas não retirou as críticas - subjetivas ou não.
Durante toda a história, ele traz humor negro e reflexões que, apesar de serem contextualizadas na Rússia soviética de Stálin, são praticamente atemporais. Muitas de suas críticas podem ser facilmente enquadradas em sistemas e governos que conhecemos hoje. 

Além do Diabo e sua trupe "causando" Rússia afora, temos dois outros núcleos na história: Jesus Cristo, que na história é chamado de Jesua (ou Yeshua) Ha-Nozri e Pôncio Pilatos. Esse núcleo surgiu do livro escrito pelo nosso personagem principal, que é o Mestre.

O Mestre é o outro núcleo, que conta a sua história (dentro de um hospício) a Bezdomni (que aparece no início do livro, sendo vítima de Woland e sua gangue). Margarida (ou Margarita), sua amante, faz parte desse núcleo, se tornando atração principal na segunda parte do livro, juntamente com o romance sobre Jesus e Pilatos. 

A segunda parte do livro é a mais marcante e densa, sendo a primeira marcada pelas críticas, humor e histórias insanas da galera do Diabo. A segunda retrata o livro do Mestre sobre Jesus e Pilatos, que é uma história interessantíssima com diálogos incríveis e totalmente cativantes, que com certeza, conquistaram Margarida, que luta tão fortemente para que o romance seja preservado, uma vez que o Mestre surta por conta de críticas feitas a seu livro (por isso o hospício) e não quer mais a sua obra-prima.

Azazello encontra-se com Margarida e propõe que ela reencontre seu amado Mestre. Nessa parte, o livro prende totalmente o leitor, porque acontecem inúmeros fatos loucos, como Margarida passar um creme e virar uma bruxa nua e transparente, que voa em uma vassoura e destrói o apartamento de um dos críticos que desatinaram o Mestre (existe um clipe [fan-made] BEEEM FIEL de uma música da banda Franz Ferdinand com essa passagem; inclusive, a letra da música é a respeito dessa passagem. Caso te interesse, eis o link: "Love and Destroy" - Franz Ferdinand). Margarida também aceita ser anfitriã ao lado de Woland no "Baile dos Cem Reis", que é um tanto bizarro. 

Quando tudo termina, ela espera que Woland lhe deixe ver o mestre, mas fica com medo de pedir. Então, frustrada, ela vai embora, mas Woland a surpreeende, claro.


O final da história é o mais surpreendente e marcante possível, mas não quero revelar nada a respeito, além que o próprio Jesus Cristo leu o romance do Mestre e pede que Mateus Levi vá até Woland lhe dar um recado, que será o desfecho da trama (oooh...).

Espero que você, querido leitor, tenha gostado e ficado um pouco intrigado a respeito da história. E, claro, na primeira oportunidade: leia o livro. Dou minha palavra de que você irá amar. ;)

 AH! Só uma curiosidade: Além da música do videoclip aqui citado, esse romance inspirou também outras duas grandes bandas: os Rolling Stones comporam "Sympathy for the Devil", graaande clássico, inspirados em Woland, que, querendo ou não, é digno de simpatia mesmo, pois é um diabo e tanto! haha
E a ilustre banda Pearl Jam compôs a música "Pilate" em homenagem à obra e aos diálogos de Pôncio Pilatos com Jesus, que acreditem em mim, pelo amor de Jesus, são INCRÍVEIS!

Até a próxima. ;)

12 comentários:

  1. Oi Natalia, tudo bem?
    Nunca fui de ler classicos, acho que tenho um certo preconceito. Nunca tinha ouvido falar nesse livro e fico surpreso que uma história tão fascinante como essa não seja muito conhecida.
    Atualmente não tenho tempo para ler o livro, mas sem dúvidas é uma ótima dica. Adorei a sua resenha e as críticas que o livro faz parecem serem incríveis, adoro livros que tem boas críticas, o que atualmente está difícil de achar.
    Gostaria de mais uma vez agradecer pela dica e também lhe indicar A Cidade Flutuante de Daniel Dias, é um livro nacional contemporâneo com várias críticas a nossa atual sociedade, acredito que você gostaria muito.
    Abraços.

    Italo T.
    http://www.ler-e-ser-feliz.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Oi Italo! Adoro livros que contenham críticas, principalmente a governos e sociedades. Com certeza lerei, obrigada pela dica! Espero que você possa ler o livro em breve, tenho certeza que iria adorar.
    Abraços!

    ResponderExcluir
  3. Deu saudade desse livro. Vou ler de novo *o*

    ResponderExcluir
  4. Quando a ressaca literária passar, também lerei de novo. IUAHSIHAISA

    ResponderExcluir
  5. Um tanto exótico! Acho que eu adoraria!
    Gostei da resenha!
    Abraço
    mundoemcartas.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  6. Oi Nathália, tudo bem?
    Não conhecia o livro... Não sou grande fã de clássicos, ao contrário de você, mas aprecio alguns.
    Essa história pareceu intrigante :S
    Li o spoiler e fiquei ainda mais curiosa hahaa
    Grande beijo ♥

    Thati;
    http://nemteconto.org

    ResponderExcluir
  7. É bastante exótico, Markus, o autor sabe prender a atenção. Obrigada! Abraços

    Thati, esse clássico foge um pouco aos padrões, tenho certeza que você amaria. :d
    Se resolver ler, me diz o que achou. Beijos

    ResponderExcluir
  8. Achei sua resenha demais! Eu nunca tinha lido esse livro mas gostei pra caramba da resenha que já coloquei o livro na lista de livros.

    http://criativare-leitura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Obrigada, Thales! Espero que goste quando ler! Depois me diz o que achou. Abraços!

    ResponderExcluir
  10. É um dos livros que entendo como essencial. Bela resenha. Parabéns!

    ResponderExcluir
  11. Muito boa a resenha. Bulgakov é sem duvida um dos grandes mestres da literatura russa. Fiz uma resenha sobre "O mestre e margarida", porem mais voltada para a interpretação de certos nomes e personagens da obra. Comparei a forma narrativa de Bulgakov a elementos associados ao xadrez (jogo apreciado pelos russos e por um dos personagens) e do jogo de cartas (também algo apreciado por um dos personagens). O foco do meu texto foi esclarecer o significa da utilização do nome "margarida", que no texto da obra não é informado apenas sugerido. Para quem quiser conferir meu trabalho segue o link da minha pagina CAFÉ MUSAIN:

    http://cafe-musain.blogspot.com.br/2016/05/o-mestre-e-margarida.html

    ResponderExcluir
  12. Muito boa a resenha. Bulgakov é sem duvida um dos grandes mestres da literatura russa. Fiz uma resenha sobre "O mestre e margarida", porem mais voltada para a interpretação de certos nomes e personagens da obra. Comparei a forma narrativa de Bulgakov a elementos associados ao xadrez (jogo apreciado pelos russos e por um dos personagens) e do jogo de cartas (também algo apreciado por um dos personagens). O foco do meu texto foi esclarecer o significa da utilização do nome "margarida", que no texto da obra não é informado apenas sugerido. Para quem quiser conferir meu trabalho segue o link da minha pagina CAFÉ MUSAIN:

    http://cafe-musain.blogspot.com.br/2016/05/o-mestre-e-margarida.html

    ResponderExcluir

Próxima Página